HISTÓRIA

A história do IAG PUC-Rio

A ideia que virou realidade

O IAG foi fundado em 1958 como Instituto de Administração e Gerência com o objetivo de contribuir para o aperfeiçoamento das empresas de pequeno e médio porte, por meio da capacitação dos seus gerentes executivos. A ideia havia surgido um ano antes, num curso que o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) ofereceu a dirigentes industriais. Ao final daquele evento, dois engenheiros participantes sonharam com a criação de um curso para gerentes, de curta duração e natureza não acadêmica: eram eles Paulo Afonso Horta Novaes (que já lecionava na PUC-Rio) e Ary Marques Jones. Felizmente, aquela ideia foi bem acolhida pelo Professor Carlos Alberto Del Castillo, também engenheiro e Diretor da Escola Politécnica da PUC-Rio à época. Graças às ações desses três idealistas, aquele sonho tornou-se realidade.Eles são considerados, com justiça, os fundadores do IAG. Vale lembrar que o Professor Paulo Novaes veio a ser o primeiro diretor do Instituto e foi um dos docentes mais longevos da PUC-Rio.

Os primeiros anos

O Brasil de 1958 vivia um inédito movimento de modernização. Novas indústrias se instalavam no país, com destaque para o nascimento da nossa indústria automobilística. A euforia chegava às universidades em geral e a PUC-Rio não era exceção. Era um bom momento para a criação do “Instituto de Administração e Gerência”, nome que buscava agregar duas linhas de pensamento da época: a europeia, ligada à administração pública tradicional e a americana (Management), mais voltada aos interesses empresariais. Os conceitos amadureceram e evoluíram através dos anos, mas a sigla IAG tornou-se uma marca.

A didática adotada era distinta do enfoque acadêmico da época. Os cursos baseavam-se em discussões de casos, seminários, demonstrações, visitas e trabalhos práticos em grupo. Um grupo muito seleto de professores foi especialmente contratado para a tarefa.

Professor Paulo Novaes apontando para um gráfico
Professor Paulo Novaes

 

Com o passar do tempo e de vários cursos ministrados, os objetivos do IAG expandiram-se para incluir cursos de aprofundamento e de especialização em nível de pós-graduação para líderes gerenciais, além do desenvolvimento da pesquisa científica. Além disso, já em 1963 ocorria a introdução do primeiro Jogo de Negócios do IAG, depois aplicado continuamente por um longo período. Para a manutenção financeira do Instituto, em 1967 foi criada a Fundação para Incremento da Administração e Gerência (FIAG).

Alunos em frente a um quadro negro

Os primeiros anos da década de setenta viram nascer os cursos de Especialização e Aprofundamento, agora com maior duração. Como exemplo, os cursos de Aprofundamento em Recursos Humanos, Marketing, Finanças e Organizações e Métodos. Em 1972 foi lançado o embrião daquilo que viria a ser o Departamento de Administração, com a realização do primeiro Mestrado em Administração, com 15 alunos em sua turma. Curiosamente, os primeiros cursos de Administração (a nível de graduação) iniciaram-se em 1975 vinculados ao Departamento de Economia da PUC-Rio, mas é preciso lembrar que a profissão de Administrador de Empresas havia sido regulamentada poucos anos antes. Naquele momento, o IAG mantinha o seu foco nos cursos de curta/média duração e o recém-criado mestrado.

Uma Grande Reformulação

As grandes alterações estruturais, que deixaram o IAG com as feições que tem hoje, foram implantadas no período 1976-1978: a vinculação do Departamento ao Centro de Ciências Sociais (CCS) da PUC-Rio, a extinção da fundação mantenedora FIAG e o renascimento do IAG, agora totalmente incorporado à vida acadêmica da Universidade.

O ano de 1979 foi especial na vida do Instituto: naquele ano foi criado o Departamento de Administração da PUC-Rio e, partir dali, o curso de graduação em Administração de Empresas desvinculou-se do Departamento de Economia, ganhando identidade própria e alinhando-se com os programas de pós-graduação existentes. Paralelamente, a Escola de Negócios manteve o seu foco na pós-graduação lato sensu, no mestrado profissional (este mais recente) e na educação executiva em geral. O mais importante é que, a partir daquele ano, Departamento de Administração e IAG seguiram sempre juntos, liderados por um único Diretor e com estrutura administrativa/financeira compartilhada.

Do IAG Master ao MBA

Embora já existissem desde 1970, os cursos de pós-graduação lato sensu sofreram uma reformulação em 1986, sendo batizados de IAG Master, porque combinavam o ensino gerencial em nível de pós-graduação com a experiência pessoal dos participantes. Foram adotadas novas denominações, ainda hoje utilizadas: Marketing, Finanças e Recursos Humanos.

No final dos anos noventa uma nova estratégia foi elaborada, visando a atualização do IAG frente às necessidades do mercado: nasceram então o Doutorado (1997), o Mestrado Profissional (1999) e, na mesma época, o IAG passou a ser chamado de Escola de Negócios da PUC-Rio, uma tendência já adotada por universidades de renome internacional.

Foram também criados novos cursos: Management (1998), Gerência de Projetos (2004), Gestão de Investimentos (2011), Gestão Comercial e de Vendas (2013) e Planejamento Tributário (2016). Os três últimos já nasceram rotulados sob a nova e popular sigla MBA (Master in Business Administration, adotada em 2010, herança dos cursos de Mestrado em Administração nos Estados Unidos, mas de conteúdo deles desvinculado). Juntos, esses cursos somam mais de 300 turmas formadas até o presente momento.

Hoje, os programas de Mestrado Acadêmico e Doutorado em Administração de Empresas têm por objetivo formar professores e pesquisadores, e possuem o conceito 5 da CAPES. Além disso, o recente programa de Mestrado Profissional visa qualificar profissionais de mercado para exercerem cargos de liderança em suas instituições.

Finalmente, é bom lembrar que o IAG PUC-Rio também conta com o Centro Desenvolvimento de Carreiras, uma área voltada para auxiliar o desenvolvimento das carreiras de seus atuais e antigos alunos dos cursos de Graduação, MBA, Mestrado e Doutorado.

A pesquisa científica no IAG PUC-Rio

O IAG tem mantido, através de todos esses anos, uma posição de pioneirismo e excelência na formação de líderes gerenciais, desenvolvendo programas alinhados não só com os novos fundamentos, mas também com as técnicas e práticas na área de Administração de Empresas. Seu corpo docente permanente é constituído por professores-doutores, com formação nas melhores escolas de pós-graduação do Brasil e do exterior, e que estão constantemente renovando suas metodologias de ensino com o objetivo de aprimorar o processo de aquisição de conhecimentos pelos seus alunos.

Assim, além da atividade docente, a pesquisa científica é intensamente desenvolvida nas áreas de Finanças, Marketing, Estratégia, Organizações e Empreendedorismo e Inovação, em consonância com as orientações da PUC-Rio, explicitadas em seu Marco Referencial. Para tanto, alguns núcleos de pesquisa foram criados, como:

  • NUPIN – Núcleo de Pesquisas em Negócios Internacionais;
  • NUPEI – Núcleo de Pesquisa em Energia e Infraestrutura;
  • NEOS – Núcleo de Estudos em Organizações Sustentáveis;
  • NORTE – Núcleo de Organizações, Relações de Trabalho e Empregabilidade; e
  • MAGIS – Centro de Pesquisa em Inovação.

Transformação digital: o futuro chegou

Essa é a história do IAG PUC-Rio: mais de 60 anos dedicados ao ensino e à pesquisa na Ciência da Administração, consciente das necessidades empresariais e governamentais de hoje e com muita disposição para superar os desafios do futuro, especialmente a transformação digital, essa profunda mudança porque passarão os negócios e as atividades, processos e competências das organizações nos próximos anos !

Diretores

  • 1958 — 1964: Paulo Afonso Horta Novaes
  • 1965 — 1966: Hélio Leôncio Martins
  • 1967 — 1976: Edgard Fróes da Fonseca
  • 1976 — 1980: Paulo Cesar de Mendonça Motta
  • 1980 — 1982: Augusto Luiz Duarte Lopes Sampaio
  • 1982 — 1985: Paulo Afonso Horta Novaes
  • 1985 — 1987: Paulo Cesar de Mendonça Motta
  • 1987 — 1991: Patrícia Tomei
  • 1991 — 1995: Roberto Moreno Moreira
  • 1995 — 1999: José Carlos Sardinha
  • 1999 — 2004: Paulo Cesar de Mendonça Motta
  • 2004 — 2008: Hélène Bertrand
  • 2008 — 2013: Luís Felipe Jacques da Motta
  • 2013 — 2015: Luís Eduardo Teixeira Brandão
  • 2015 — 2019: Paulo Cesar de Mendonça Motta
  • 2019 — presente momento: Leonardo Lima Gomes